Toscana para Pessoas com Deficiência

Este é um assunto que há muito tempo gostaria de abordar no blog, e não haveria dia melhor para publicar sobre isto que hoje, dia 3 de dezembro, no Dia Internacional da Pessoa com Deficiência. Este é um tema muito amplo, que abrange diversos tipos de deficiências, como física, auditiva, mental… Não possuo ninguém próximo a mim que se encontre nesta situação, mas no início deste ano tive a experiência de acompanhar uma pessoa com deficiência física por várias cidades da Toscana e pude ver de perto todas as dificuldades cotidianas que se deve enfrentar. Claro que isto não faz de mim uma especialista no assunto, mas depois desta experiência comecei a prestar mais atenção em tudo ao meu redor e como Florença acolhe este turismo especial.

fonte: www.uicifirenze.it
fonte: www.uicifirenze.it

 

Gostaria de dizer que Florença, Toscana e Itália em modo geral estão preparados para receber pessoas com deficiência, mas infelizmente não é bem assim… Embora existam iniciativas e leis que os favoreçam e protejam em diversos modos, acredito que a barreira mais difícil de ser vencida é a arquitetônica, principalmente para deficientes físicos e visuais. Estamos falando de cidades e edifícios muito antigos e protegidos por leis de tombamento que acabam muitas vezes dificultando a adaptação para a completa acessibilidade.
O Bruno é editor da Revista Viagem e Turismo da Abril, e e escreve o blog “PARATODOS”, onde conta suas experiências sob rodas pelo mundo e compartilha dicas para quem viaja com algum tipo de problema de mobilidade. 
Não foi fácil visitar Siena e San Gimignano com cadeira de rodas. Foi necessário muito músculo para empurrar e segurar e muita calma para evitar os desníveis da pavimentação em pedras irregulares que poderiam fazer a cadeira capotar, mas mesmo com todo o cuidado, o susto da queda foi inevitável. Em Siena pudemos contar com um taxi adaptado que nos deixou próximos ao Duomo, facilitando o caminho de volta ao estacionamento em decida. Já em San Gimignano tivemos problemas, pois existem pouquíssimos (cerca de 10) taxistas na cidade (todos super ocupados), e o ônibus circular que passa de vez em nunca estava com a rampa quebrada e com um motorista de pouca vontade em ajudar. Embora todas as adversidades, conseguimos visitar as duas cidades.
Em Castellina in Chianti
Saindo da escala cidade e entrando na escala edifícios públicos, museus, igrejas, palácios e outros monumentos, eu já posso falar com muito entusiasmo que fiquei impressionada com o acolhimento. Todos são acessíveis, dotados de rampas e/ou elevadores, e há total gratuidade para o deficiente e seu acompanhante, independentemente da sua nacionalidade ou idade. Também não é necessário enfrentar filas. Com hotéis, tivemos algumas surpresas desagradáveis… mesmo que estejam classificados como acessíveis, acho que vale enviar um e-mail (em letras garrafais) confirmando que de fato o hotel e o quarto são adaptados.
Nascimento de Vênus de Botticelli em altorelevo.

Outro ponto positivo para os museus são os percursos táteis para deficientes visuais. Desde 2009 o Uffizi conta com o projeto “Uffizi da Toccare“, com cerca de 20 obras entre esculturas e pinturas que podem ser descobertas com o toque de dedos e mãos e descrições em braile. Por enquanto são somente duas as obras de pintura transformadas em um painel de gesso para a leitura com o toque: o Nascimento de Vênus de Botticelli e a Pala de Santa Lucia de’ Magnoli de Domenico Veneziano. Outros museus que possuem percurso tátil são: Museu de Arte Moderna, Museu Nacional do Bargello, Museu de San Marco, Palazzo Davanzati, Jardim de Boboli e Cenáculo di Andrea del Sarto.

No Cenáculo de Andrea del Sarto estão expostos 4 quadros do Uffizi reproduzidos em gesso: Madonna del Cardellino de Rafael, Retrato do Duca de Urbino de Piero della Francesca, Retrato de Cosimo il Vecchio de Pontormo e Retrato de Jovem com Medalha de Boticelli.
Ainda entre as iniciativas para os deficientes visuais temos duas “maquetes” feitas em bronze que reproduzem a malha urbana e os edifícios de Florença com legenda em braile. Eles estão posicionados na Praça da República e na Via Guicciardini, próximo à Piazza Pitti.

Mapa Tátil na Piazza della Repubblica – fonte: www.uicifirenze.it

Entrando na questão transporte, a Trenitalia possui uma série de iniciativas para facilitar a viagem de pessoas com qualquer tipo de deficiência ou mesmo com dificuldades de locomoção por idade ou doença. A Carta Blu te permite comprar tickets com valores reduzidos e usufruir de gratuidade ou pagamento reduzido para o acompanhante. Os Posti Blu são acentos preferenciais para deficiente e acompanhante com modalidade especial de reserva e pagamento. Nas Sale Blu você encontrará todas as informações de assistência à pessoas com deficiência, poderá inclusive reservar o serviço gratuito de guia ao trem em partida ou em chegada, ou um carregador de malas.

Em Florença, todos os ônibus são dotados de sistema de plataforma e possuem lugar exclusivo com cinto de segurança. Para quem utiliza caro identificado com o símbolo de cadeirante, pode entrar na área de trafico limitado da ZTL e estacionar em vagas exclusivas identificadas com faixa amarela.
O Dia Internacional das Pessoas com Deficiência foi instituído em 1981 para promover um maior conhecimento sobre os temas ligados à deficiência, para apoiar a plena inclusão de pessoas com deficiência e eliminar qualquer forma de descriminação e violência. 

Deixe seu comentário