As Torres de San Gimignano

As origens de San Gimignano se perdem no tempo e sobre ela giram diversas lendas. Dizem que em 63 d.C. Silvio e Muzio, irmãos que fugiram de Roma, se refugiam nesta colina de Val d’Elsa onde construíram dois castelos: Silvia e Mucchio que seria a futura cidade. Lendas à parte, o primeiro documento histórico que cita a cidade é do século X, quando Ugo de Provenza doa ao Bispo de Volterra a colina chamada de “prope Sancto Geminiano adiacente“. Uma outra lenda narra que o Santo Bispo de Modena, Gimignano, apareceu sobre os muros do castelo durante um ataque de bárbaros, salvando todos de uma invasão.

san-gimignano-48

San Gimignano teve seu auge de desenvolvimento nos 3 séculos que se seguiram. Era uma importante passagem da Via Francigena, antiga estrada sacra que liga as 3 cidades santas de Santiago de Compostela, Roma e Jerusalém passando pela França, itinerário de muitos peregrinos durante a Idade Média. A cidade prosperou com as atividades agrícolas sendo um grande produtor do zafferano (açafrão), vinho Grego e Vernaccia, além da produção de lã e empréstimo de dinheiro (bancos). 

Piazza della Cisterna
As famosas torres que tornaram esta cidade conhecida no mundo inteiro eram construídas como símbolo de poder das ricas famílias que ali moravam. A altura da torre era proporcional à riqueza, logo havia uma grande disputa por quem construía a torre mais alta. Na época de glória de San Gimignano, haviam 72 torres erguidas. Após a queda da cidade sobre os domínios de Firenze em 1348, iniciou-se o seu declínio que foi agravado com o ataque da peste negra que reduziu a sua população quase à metade. Em 1580 restavam somente 25 torres erguidas e hoje este número é ainda menor. São apenas 14 as torres que sobreviveram aos tempos modernos:
Torre Rognosa
Também conhecida como Torre dell’Orologio (Torre do Relógio), é a mais antiga de todas, construída em 1200. Durante muito tempo foi a mais alta da cidade, com 51 metros de altura, graças ao decreto de 1255 que estabelecia que nenhuma outra torre da cidade poderia ser mais alta que ela. Ergue-se sobre o Palazzo Vecchio della Podestà na Piazza Duomo. Em seu topo, um sino anunciava a chegada de perigo. Depois passou a ser utilizado para marcar a hora (daí o seu segundo nome).
Esq. Torre Chiggi – Dir. Torre Rognosa

Torre della Podestà

Também conhecida como Torre Grossa (Torre Grande) por ser a maior de todas, com 54 metros de altura. Foi construída entre 1300 e 1311 sobre o Palazzo Nuovo della Podestà na Piazza Duomo ao lado esquerdo da Catedral. Durante a Segunda Guerra Mundial, os bombardeios dos americanos à cidade destruíram o topo da torre onde havia um sino. É possível subir na torre para ver a vista panorâmica da cidade e campos ao redor.


Torri Gemelle
Construídas nos primeiros anos do século XI pela família guelfa dos Salvucci, comerciantes de especiarias, originalmente era mais alta que a Torre Rognosa, no entanto foi obrigatoriamente rebaixada devido ao decreto de 1255. Hoje, após um grande trabalho de restauro, a Torre Salvucci Maggiore foi adaptada para receber hóspedes. O apartamento que se desenvolve em 10 andares pode acolher um máximo de 4 hospedes.

Torri Ardinghelli

Foram construídas no fim de 1200 pelos Ardinghelli, a família ghibellina mais poderosa de San Gimignano. Competiam diretamente com as Torri Gemelle da família guelfa Salvucci, sua arqui-inimiga. Originalmente havia o dobro de sua altura atual que foi reduzida devido ao decreto de 1255. Surgem sobre a Piazza dela Cisterna.

Torre del Diavolo

Surge sobre a Piazza della Cisterna ao lado do Palazzo dei Cortesi com 35 metros de altura. O arco no andar térreo sugere que ali havia uma passagem que levaria ao Viccolo dell’Oro, onde artesãos trabalhavam o ouro para transformar-se em folha. Recebeu esse nome perturbador após um episódio misterioso para a época. O proprietário da torre, após o retorno de uma longa viagem, encontrou a torre mais alta de quando a havia deixado. Atribuiu-se este fato à obras do demônio, que nas antigas superstições tinha o poder de construir e realizar obras impossíveis.

Torre del Diavolo
Torre dei Becci
Construída durante o século XIII pela família de comerciantes Becci.
 
Torre Chiggi
Uma das mais belas torres da cidade, encontra-se na Piazza Duomo, construída em 1280 pela Família Useppi.

Torre Chiggi

Torre Campatelli

Construída no século XII pela família Coppi, mas chamada atualmente de Campatelli que é o nome da última família proprietária da casa. Em 2005 Lidia Campatelli deixou de herança ao FAI (Fundo Ambiente Italiana) a torre que foi restaurada e desde 2016 aberta à visitação pública.

Torre di Palazzo Pellari
Se encontra na Piazza Pecori, mas também é visível da Piazza della Cisterna. Não se sabe com exatesa o ano de construção, mas já existem registros de 1237.
Torre Pettini
Uma das mais baixas de San Gimignano com apenas 30 metros de altura. Surge sobre o Palazzo Pettini, próximo as Torri Gemelle
Casa-Torre Pesciolini
As torres utilizadas como habitação continham espaços realmente diminutos e com poucas aberturas. As paredes das torres eram espessas mais de 2 metros garantindo o fresco no verão e o quente no inverno. Os ambiente se desenvolviam pela altura da torre, sendo o andar térreo destinado às lojas, os primeiros aos quartos e os mais altos à cozinha. Era uma decisão baseada na segurança de que caso houvesse um incêndio na cozinha, onde acendia-se o fogo, seria possível escapar da torre.

Torre del Cugnanesi
Surge sobre o palácio de mesmo nome que fazia parte da primeira cintura murária da cidade, ao lado do Arco dei Becci, antiga porta de acesso à cidade.
Torre Cugnanesi

A cidade de San Gimignano é considerada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO desde 1990.

Deixe seu comentário

2 comentários

  1. Oi barbara, eu tenho a maior simpatia por essa cidade, adorei seu post, super informativo! Saudade de SG: Lugar cheio de vida, encantos e beleza! Ah, Hj no blog falo sobre San Marino, dê uma conferida. Um beijo pra vc! Denya- grazieateblog

  2. Oi, Denya! San Gimignano também é uma das minhas cidades preferidas da Toscana! Sempre muito acolhedora, cheia de cantinhos a serem explorados! Passeio sempre valido! Bjos pra vc!