10 Coisas que os Brasileiros deveriam Aprender com os Italianos

Se você escolheu viver num país diferente do que nasceu e cresceu, provavelmente vai chegar à conclusão que viver no exterior é bom e é ruim. É ruim pois você provavelmente vai sentir falta daquele calorzinho brasileiro, do abraço, do sorriso, do otimismo e a alegria de viver. É bom, pois se você decidiu se mudar, era porque buscava algo que provavelmente encontrou, se não, voltava para seu país, certo?! Rs… Quando estamos fora, enxergamos melhor os valores do nosso país, mas também descobrimos outros “defeitos” que, sem vivenciar outra realidade, talvez jamais teríamos nos dado conta! 

tarsila-do-amaral_os-operaios

 

Com esta lista convido vocês à uma reflexão sobre o nosso estilo de vida que, em certos aspectos anda cada vez mais americanizado, privilegiando o consumismo e por consequência uma vida menos sustentável e, por que não, menos saudável não só a nível individual como coletivo.

1. Valorizar e preservar a história

Como arquiteta, me corta o coração quando passo pelo centro de São Paulo e vejo casas seculares em péssimo estado de conservação, caindo aos pedaços, ou mesmo completamente transformadas e descaracterizadas. As leis de tombamento e a proteção e conservação dos edifícios históricos não só de São Paulo, mas de todo o Brasil são precárias. Não pensam 2 vezes antes de derrubar casarões da avenida Paulista para a construção de mais um shopping e mais um arranha-céus que vai trazer ainda mais trânsito para uma área já saturada. Não há investimento da iniciativa pública nem privada e junto do descaso das empreiteiras, o resultado é um grande desastre!

mansao-matarazzo-ad
Era realmente muito importante MESMO ter mais um shopping em São Paulo… como as pessoas iriam viver, se não?! Eu, choro…

Florença, a Itália e tantas outras cidades europeias sabem valorizar e preservar a sua história e por conta disto chegam milhões de turistas ao ano trazendo benefícios financeiros não somente para o estado, mas também para o comércio e todos os serviços ligados ao turismo. Sem o passado, não há futuro.

2. Conhecer melhor o próprio país

Os italianos conhecem muito bem o próprio país. Não estou falando da história que se estuda na escola, mas do conhecer “pessoalmente”, viajar pelas suas diversas cidades e tradições. A união da Itália é algo muito recente (1861), antes disto eram pequenos estados independentes. Por conta desta segregação, basta você viajar 100Km para encontrar outro sotaque, outra tradição culinária, outra variante de estilo arquitetônico. Várias realidades num só país, e os italianos, em média, a conhecem bem!

3. Valorizar a experiência 

Na Itália as coisas demoram um pouco mais para acontecer. A formatura geralmente vem depois dos 25 anos e até os 30 você não é considerado um profissional de experiência suficiente para ocupar cargos muito mais altos do que de um estagiário. Logo, o casamento e os filhos também vêm mais tarde. Existe menos pressão de conseguir logo família e sucesso profissional antes dos 30. Ao contrário do Brasil, a faixa maior de desemprego está entre os jovens e a faixa etária dos 40-50-60 não são descartadas como “muito velhos pra trabalhar”.

4. Ocupar e desfrutar melhor espaços públicos e ao ar livre

As praças italianas são espaços de lazer, de encontro, de passa-tempo, de fazer exercício, de música, ou seja, um espaço de convívio social. A prefeitura e a iniciativa privada promovem diversos eventos que tem como palco as praças e que atraem a população. Não há espaço para marginalização nem degrado pois elas são policiadas e ocupadas pelo cidadão, até mesmo de noite: as praças são o ponto de encontro de muitos grupos de jovens.

piazzale-michelangelo_san-valentino
Piazzale Michelangelo durante o dia de San Valentino – todo mundo pronto para o beijo coletivo

5. Menos pressão pelo corpo perfeito

O tema dieta, boa forma, exercício, academia não está em pauta nas revistas e programas televisivos como acontece no Brasil. Aqui eu não fico sabendo qual é a dieta do momento ou do novo alimento natural que vai mudar meu corpo. Para vocês terem ideia, nem existe revista específica sobre o assunto, enquanto no Brasil, quantas são?
 

6. Privilegiar frutas e verduras da estação

Quer comer figos? Aguarde setembro. Quer tomar um suco de laranja bem docinho? Só em Março e Abril. Quer provar a sopa tradicional toscana, a ribolita? Não durante o verão… o cavolo nero (verdura ingrediente da sopa) fica bom mesmo só depois da primeira geada. E não tem choro, fora de temporada, você não encontra algumas frutas e verduras e se encontrar, não vai ser tão saboroso. Italiano não compra fora da estação. Um exemplo são os restaurantes da Itália que em grande maioria mudam o cardápio 4 vezes ao ano, seguindo produtos e receitas de cada estação.

banca-de-frutas

7. Beber mais água

A bebida que acompanha a refeição na Itália é a água (normal ou frizante) e o vinho (tinto ou branco). Refrigerante sobre uma mesa italiana é raridade, assim como o suco. Além disso, os restaurantes servem água em garrafas de vidro que podem ser lavadas e reutilizadas usando a água tratada e filtrada que sai diretamente da torneira. Calcule quantas garrafinhas de plástico deixam de ir para o lixo!

8. Não julgar as pessoas pelo que elas tem ou modo que se vestem

Aqui você pode sair com uma melancia pendurada no pescoço que ninguém vai ficar te olhando torto. Não importa que você não tem o último modelo do iPhone, ou que seu carro não seja novo, aliás, se você não tiver carro, também não importa. O transporte público funciona bem e a bicicleta é um meio de locomoção comum principalmente no centro.

9. Mais Cultura, menos shopping

Existem tantas coisas mais interessantes para se gastar dinheiro do que um celular ou uma TV nova… Podemos sair mais com seus amigos, viajar, voar de balão, fazer um curso de fotografia, “coisas não coisas” que irão enriquecer o nosso ser e não o nosso “status”. Como disse no item anterior, não há a pressão de “ter que ter” objetos.

10. Menos “coisa de gay”

É, sim, a sociedade brasileira é bem machista, tanto que várias coisas bobas entram na lista de “isso é gay”. Os homens italianos se vestem de rosa, usam calça apertada, gel no cabelo, e nem passa pela cabeça deles que alguém vai colocar a sua masculinidade em dúvida! E falando em gays, não sei se a proporção da cidade influi nisso, mas vejo e conheço muito mais casais homossexuais aqui em Florença do que em São Paulo e eles me parecem super incluídos e à vontade na sociedade, até mesmo para andar de mãos dadas!

pitti-uomo-02
E como disse lá em cima, enxergamos melhor não somente os defeitos da nossa pátria, mas também os valores. Logo mais vem a listinha do que os italianos deveriam aprender conosco! 😉

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

35 comentários

  1. AvatarILMA MADUREIRAcomentou

    Muito bom e pertinente sua matéria. É bem isso mesmo. Só quando estamos fora de nossa zona de conforto percebemos certas coisas: e concordo com voce quando diz que no Brasil se valoiza o “ter” e não o “ser”. Amo a Itália – principalmente Florença e como já escrevi e comentei – minha alma esta em Florença. Abraços

  2. AvatarLaurita Fernandes Fassonicomentou

    Olá Babi, sou professora aposentada pela Unesp, mãe do Pedro ( Cientista Político r professor da PUC-SP) e da Ana Tarcila (Veterinária) .Tenho 73anos, 2 lindos Netos:( Marina de 13anos e Lucas, 3 anos) Esse deve ser o meu ano sabático. Chegue em Florença dia 20/10 e vou ficar até o dia 23/11. Pretendo voltar em 2018 e ficar alguns meses. AAdorei seu blog e espero aprender muito com suas dicas. Acordei hoje pensando em como aproveitar meu domingo. Você tem algo para me sugerir para hoje e amanhã? Li suas ótimas dicas, nas como estou sozinha, pensei integrar passeios já programados. Parabéns e um afetuoso abraço brasileiro…

  3. AvatarFANYcomentou

    Olá Babi!!
    Lindo tudo isso sobre a Itália. Maravilhoso poder circular a vontade, gastar para adquirir conhecimento… enfim tirar o peso de ter que ter isso ou aquilo porque faz parte, porque é moda e tal e coisa. Gostei da sua entrevista com o Darius, na semana Itálica. Amo o italiano e como bisneta de imigrantes tenho minhas curiosidades sobre o “Belpaese”. Tenho meus documentos apostilados e espero uma oportunidade para ir à Itália fazer minha cidadania. No entanto as empresas que trabalham com isso cobram uma exorbitância, o que inviabiliza meu sonho no momento. Se tiver algum contato de alguém que entenda sobre o assunto fico agradecida se puder me passar um e mail. Acabo de fazer uma pós graduação em paisagismo e posso trocar serviço.
    Muito sucesso para você!!!
    Bjins!

    1. Oi, Fany! Legal saber que viu a entrevista na Settimana Italica! 😀 Entendo que o valor dos assessores pode parecer alto, mas eu sempre recomendo ter a ajuda de alguém local e que saiba todos os trâmites, que fale BEM a língua italiana e siga o processo dentro das normas e leis. Se quiser, posso te indicar uma pessoa. Me mande e-mail que te coloco em contato. Bjos!

  4. AvatarRosanacomentou

    Adorei a reportagem:
    5 motivos para empreender na Italia .
    Parabens

  5. AvatarRegina oliveiracomentou

    Eccellente post!
    Mi è piaciuto tanto!
    Tante cose da imparare…

  6. AvatarVera Wendtcomentou

    Fico impressionada com o descaso das coisas antigas aqui no Brasil. Acho que nem nos Estados Unidos eles iriam derrubar um casarão antigo para construir um Shopping Center no centro da cidade.
    Moreira em Boston e lá existem bairros inteiros preservados até cemitérios antigos tem no centro de Boston.

  7. AvatarDheboracomentou

    Obrigada pelo belo elogio a nossa cultura e ao meu país! Acho a Itália um lugar lindíssimo pra viver, como amo de coração o Brasil pela positividade que vcs tem!
    Pode me passar o link do que “nós ” italianos teríamos que aprender dos brasileiros? Lindo seria aprender a valorizar cada dia o que temos e focar em projetos pra ter o que sonhamos (não estou falando de coisa matérial, obviamente ?)

    1. Oi, Dhebora! Ainda não fiz o artigo ao contrário… Fico feliz que tenha gostado do artigo! Amo a Itália e tmb amo o Brasil, cada um com seus defeitos e qualidades! <3 Bjos

  8. AvatarCristinacomentou

    Muito bacana seu blog e otimas dicas nesse texto. Estou visitando minha filha q vive em Bolonha. Pouco tempo, mas devo discordar do item que fala deles nao olharem torto. Talvez nao se preocupem com sua vestimenta ou visual mas encaram muito. Chega a ser desconfortavel. Sei que o foco é o que os brasileiros podem aprender com os italianos. Mas como observcao apenas: os italianos poderiam aprender a serem mais leves, menos implicantes, sorrirem mais. Nunca ha um sorriso, um cumprimento na rua, despretensioso. Qdo há é de estrangeiro. Enfim, um país interessantissmo, mas tem muito a aprender com Brasil tambem ?

  9. AvatarAnamaria Loriggiocomentou

    Você está de parabéns pela sua crítica, você foi até bondosa demais, o brasileiro realmente não dá valor para seus casaroes, suas praças, sua cidade, já estive na Itália várias vezes e fico sempre com vontade de voltar amo a Itália e os italianos, prazer em te conhecer, abraços.

  10. AvatarAriovaldo Fontanetticomentou

    Boa noite,
    morando jà ha 26 anos na Provincia di Vicenza, Italia, concordo plenamente com tudo o que escreveu nesse post.
    Parabéns, mostrou a realidade da vida Italiana em comparaçao com a Brasileira.
    Abraços.